10 seleções de versos de Vinícius de Moraes que não falam sobre amor

“De tudo ao meu amor serei atento (…)”

“De repente, do riso fez-se o pranto(…)”

Um romântico afogado em uísque e um homem capaz de nove casamentos. É assim que conhecemos Vinícius de Moraes. Mas ele não é só isso:  em seu primeiro livro, “O Caminho para a distância”, vemos uma face mística, uma espécie de religiosidade metafísica, que encontra a fé na natureza.

Lançado em 1933, quando tinha apenas 19 anos,  o livro traz versos ainda imaturos, tanto que apenas o poema “A uma mulher” foi selecionado pelo próprio Vinícius para sua antologia. Mesmo com essa recusa do poetinha,  são primeiros versos lindos – e aqui estão  selecionados numa intenção de encontrarmos justamente essa imaturidade das nossas primeiras questões metafísicas ou filosóficas, de tão perplexos que ficamos diante da vida e da natureza.

Então vamos lá, andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar!

 

  1. Místico 

As grandes nuvens brancas e paradas –

Suspensas e paradas

[…] Ritmam interiormente o movimento da luz

 

  1. Inatingível

Eu segui porque tinha que seguir

Com as mãos na boca, em concha

Gritando para o infinito a minha dúvida

 

  1. Revolta

De que te vale o espaço se te cansa?

Quanto mais sobes, mais o espaço avança…

Desce ao chão, águia audaz, que a noite é fria.

 

  1. Ânsia

No desespero das árvores paradas busquei consolação

E no silêncio das folhas que caíam senti o ódio

Nos ruídos do mar senti o grito de revolta

E de pavor fugi

 

  1. Purificação

A ti, Senhor, gritei que estava puro

E na natureza ouvi a tua voz.

Pássaros cantaram no céu

Eu olhei para o céu e cantei e cantei.

Senti a alegria da vida

Que vivia nas flores pequenas

Senti a beleza da vida

Que morava na luz e morava no céu

E cantei e cantei.

 

  1. Vigília

A lágrima que brilha nos meus olhos

Possui por um segundo a estrela que briilha no céu

 

  1. Extensão

Prostrado na terra eu olhei para o céu

E pedi ao Senhor o caminho da fé.

Noites e noites foram-se em silêncio

E somente a extensão.

 

  1. O Bom-pastor

Amo andar nessas tardes…

Sinto-me penetrando o sereno vazio de tudo

Como um raio de luz.

Cresço, projeto-me ao infinito, agitando

Para consolar as árvores angustiadas

 

  1. Sonoridade

Em árvores longínquas pássaros sonâmbulos pipilam

E águas desconhecidas escorrem sussurros brancos na treva.

Na escuta meus olhos se fecham, meu lábios se oprimem

Tudo em mim é o instante de percepção de todas as vibrações

 

  1. Judeu errante

Hei de seguir eternamente a estrada

Que há tanto tempo venho já seguindo

Sem me importar com a noite que vem vindo

Como uma pavorosa alma penada

 

Sem fé na redenção, sem crença em nada

Fugitivo que a dor vem perseguindo

Busco eu também a paz onde, sorrindo

Será também minha alma um alvorada.

 

E você?  Gosta de Vinícius de Moraes, conhece “O caminho para a distância” e quer falar de outros versos? Essa seleção fala realmente do misticismo natural? Deixe seu comentário!

Comente aqui